Perguntas Freqüentes

O BRB não possui e não indica consultores à atuarem em seu nome, devendo o cliente buscar uma das agências do Banco.

1. Não tenho como pagar de uma vez as prestações em atraso do meu financiamento. O BRB renegocia o débito?

Sim, mediante proposta formal por parte do mutuário ou seu procurador.

2. Com quantas prestações atrasadas eu corro o risco de ser acionado na Justiça?
Após a terceira prestação em atraso, para contrato com garantia em Hipoteca, e uma prestação, para contrato com garantia em Alienação Fiduciária.
3. Onde posso pagar as prestações do Financiamento Imobiliário do BRB?
De posse do boleto bancário, o mesmo poderá ser pago no BRB ou em qualquer banco, até o vencimento.
4. Posso utilizar FGTS para amortizar o saldo devedor do meu contrato?
Sim, desde que não possua prestações em atraso e esteja enquadrado nas normas de utilização do FGTS. Consulte informações no link “Regras para utilização do FGTS”, neste mesmo site.
5. Posso pagar antecipadamente as prestações do meu contrato?
Não. O que pode ser feito é o pagamento antecipado de parte do saldo devedor (amortização extraordinária).
6. Se um financiamento for transferido para o meu nome, a prestação será alterada?
A prestação será recalculada em razão do saldo devedor, taxa de juros e prazo remanescente do contrato, podendo vir a ser alterada quando sujeita às novas condições de financiamento.
7. Após o pagamento total do financiamento e do recebimento da autorização para baixar a Hipoteca/Alienação Fiduciária, o mutuário precisa fazer alguma coisa?
Sim, após o recebimento da autorização para baixar a Hipoteca ou Alienação Fiduciária, o mutuário deverá encaminhá-la ao Cartório de Notas para reconhecimento das firmas dos representantes do BRB, e depois apresentá-la ao Cartório de Registro de Imóveis onde foi registrada a operação de compra e venda. Assim sendo, o Cartório poderá averbar a quitação junto à matrícula do imóvel, baixando o gravame.
8. Após o pagamento total do financiamento será necessário fazer uma nova escritura do imóvel?
Não, pois o contrato/escritura assinado(a) no BRB já é a escritura definitiva do imóvel.
9. Posso multiplicar o valor das prestações atuais pelo tempo que falta, para eu saber o valor do meu saldo devedor?
Não. O valor do saldo devedor é o resultado da evolução do financiamento desde o início do contrato, e depende do plano de amortização contratado.
10. Por que o valor de avaliação no mercado do meu imóvel pode ser inferior ao meu saldo devedor?
O valor do saldo devedor é calculado sobre as condições do financiamento e não em relação ao valor de mercado do imóvel, que é flutuante.
11. Aposentei-me por tempo de serviço. O seguro quita meu imóvel?
Não. A aposentadoria por tempo de serviço ou por idade não dá direito à quitação do imóvel. O imóvel só será quitado pela Seguradora por ocasião de aposentadoria por invalidez ou morte, desde que a doença tenha sido adquirida após a assinatura do contrato.
12. Em caso de solicitação de 2ª via de documentos, haverá a cobrança de alguma taxa?
Sim. Conforme tabela de tarifas publicada neste mesmo site.
13. Como eu faço para dar entrada no pedido de cobertura de sinistro em virtude de óbito ou invalidez do titular do contrato?
O 2º adquirente ou co-responsável do financiamento deverá comunicar de imediato ao Banco a ocorrência do sinistro, por meio do preenchimento do formulário “Comunicado ao agente (BRB)”, e da apresentação dos documentos abaixo.
  1. Cópia simples da certidão de óbito do sinistrado (em caso de morte);
  2. Cópia do contrato;
  3. Cópia da carta de concessão de benefício emitida pelo INSS (nos casos de Invalidez permanente);
  4. Laudo do IML (se for o caso);
  5. Última prestação paga;
  6. ASE - Aviso de Sinistro ao Estipulante (BRB).
14. Quanto tempo é necessário para a minha autorização de baixa de hipoteca/alienação ficar pronta?
Após o recebimento da solicitação de baixa feita pelo mutuário, o Banco tem o prazo de até 30 dias para disponibilizar a baixa ao solicitante.
15. Existe algum custo pela emissão da 1ª via da autorização de baixa de Hipoteca /Alienação Fiduciária?
Não.
16. Há alguma vantagem em se fazer uma amortização extraordinária no saldo devedor?
Sim. Caso o mutuário opte por fazer amortizações extraordinárias, o mesmo estará contribuindo para uma possível liquidação do financiamento antes do tempo previsto em contrato. A amortização ajuda no controle do saldo devedor, uma vez que o valor amortizado abaterá diretamente no saldo, podendo ainda reduzir o valor da prestação ou o prazo remanescente do contrato.
17. Como pode ocorrer a liquidação do meu contrato de financiamento?

A liquidação de contratos junto à Carteira Imobiliária do BRB pode ocorrer de duas formas: por término de prazo ou por quitação antecipada.

A liquidação por término de prazo é aquela em que o financiamento é liquidado após o pagamento da última prestação diante da inexistência de saldo devedor residual.

Já a quitação antecipada é aquela em que o mutuário decide pagar o saldo devedor existente antes do término do prazo contratual.

18. Quais são os tipos de seguros que são pagos juntamente com as prestações?
São dois: MIP e DFI.
  1. Morte ou Invalidez Permanente (MIP): em caso de morte ou invalidez permanente do titular ou do co-adquirente do financiamento, o saldo devedor do financiamento do imóvel é quitado total ou parcialmente, ou seja, a quitação será de acordo com o comprometimento de renda do sinistrado, desde que o BRB seja comunicado no prazo estabelecido pela legislação vigente.
  2. Danos Físicos do Imóvel (DFI): em caso de incêndio, desmoronamento ou inundação, o seguro garante a recuperação do imóvel. No entanto, o seguro não cobre desgaste provocado pelo tempo e uso da habitação. As ocorrências que têm cobertura do seguro devem ser comunicadas com urgência ao BRB. A ampliação do imóvel somente poderá ser feita mediante projeto aprovado na prefeitura ou administração regional de sua cidade, e a obra também deverá ser comunicada ao BRB para averbação junto à seguradora. Essa é a maneira mais adequada do mutuário evitar transtornos futuros.
19. Quais as condições/situações a serem observadas quando da transferência do financiamento para outra pessoa?
Não há relação entre os informes. O relatório de tarifas pagas será por conta, podendo ser agrupado por CPF, a critério de cada banco.
  1. O novo mutuário terá que se enquadrar nas normas para contratação de um financiamento novo;
  2. É preciso que o mutuário esteja adimplente com os pagamentos das prestações;
  3. Verificar o prazo remanescente do contrato, pois será este o prazo que o novo mutuário terá para pagar o restante do saldo devedor;
  4. Poderão ocorrer alterações no valor das prestações;
  5. A renda do novo adquirente terá que ser compatível com a nova prestação;
  6. No ato de formalização da transferência, será cobrada do novo mutuário uma taxa correspondente a 2% (dois por cento) do saldo devedor transferido, destinada a cobrir custos do processamento da operação, além da taxa de contratação, avaliação do imóvel, lavratura e registro da escritura, e do pagamento do ITBI (Imposto de Transmissão).

IMPORTANTE: Para cobertura securitária de operação enquadrada no SFH, a idade do cessionário mais idoso somada ao prazo de amortização (prazo remanescente)  não poderá ultrapassar a 80 (oitenta) anos e 6 (seis) meses.

20. Como devo proceder para alterar o endereço de recebimento dos boletos? Há algum custo pela mudança do endereço?
Não existe custo e o mutuário deverá comparecer a CEMUT, localizada no Térreo do Edifício Brasília (Edifício sede do BRB), e preencher formulário próprio solicitando a alteração do endereço de correspondência.
21. É possível alterar a data de vencimento das prestações do financiamento imobiliário? Há algum custo?
Sim. Mediante proposta formal por parte do mutuário ou procurador. Sim. É cobrada uma tarifa referente ao Aditivo Contratual [link tabela de tarifas], e mais as taxa de lavratura e registro da nova escritura em caso de instrumento público, e a taxa de registro em caso de instrumento particular.